domingo

O que importa é ir à missa

José Luis Zapatero não foi à missa. O Primeiro Ministro espanhol recebeu o Papa na sua qualidade de chefe de Estado mas faltou à celebração religiosa. A ausência foi muito criticada pelo Vaticano. O porta-voz da Santa Sé lembrou, a propósito, outras visitas papais por exemplo à Nicarágua, onde Daniel Ortega foi à missa. Na Polónia, antes da queda do muro, lá estava Jaruzelski na missa. Fidel, Fidel Castro, foi à missa quando João Paulo II visitou Cuba. Aparentemente, pouco interessa quem são ou foram os homens que cita como bons exemplos. A forma como trataram ou continuam a tratar os outros seres humanos. Os atentados, as atrocidades.... Vão à missa, é isso que prevalece nas palavras do senhor porta-voz.
Acresce que Zapatero é ateu, ateu assumido. O que ia ele fazer a uma cerimónia religiosa que não lhe diz nada, na qual não acredita? O que faz um ateu na missa? Mantém as aparências. Coisa que a igreja católica, com discursos como este, não faz. As palavras do porta-voz deixam ver muita coisa.

4 comentários:

cardeal patriarca disse...

Rodríguez Zapatero nasceu em Valladolid de uma influente família da área da esquerda. O seu pai, Juan Rodríguez García-Lozano, era um advogado notável. O seu avô, Juan Rodríguez Lozano, era um capitão republicano executado pelos nacionalistas na guerra civil de Espanha.

Da área comunista foi influenciado pelo carisma de Filipe Gonzalez que ouviu pela primeira vez em 15 de Agosto de 1976 em Gijon.

Após a licenciatura trabalhou como professor de direito constitucional na Universidade de León. Foi eleito para o Parlamento em 1986, e em Outubro de 1991, foi suspenso o seu contrato universitário com a tomada de posse de um novo Reitor que determinou que a sua posição de Professor e Deputado eram incompatíveis.

Em 27 de Janeiro de 1990, Rodríguez Zapatero casou com Sonsoles Espinosa Díaz, filha de um oficial general (Rafael Espinosa Armendáriz). É pai de duas filhas Laura (1993) e Alba (1995). A sua família nunca apareceu aos media espanhóis e não existem sequer imagens de suas filhas.

Terá sido herdeiro de uma carta de seu avô antes do fuzilamento.

Perfeito - o curriculum deste primeiro-ministro encaixa perfeitamente naquilo que agora aconteceu. Não faz favores e faz o que intende.

Disse não à hipocrisia. Deve ter jurado isso também. Não precisa de parabéns. Corre por gosto e vai longe !

Marisa disse...

As missas católicas - que são as únicas que conheço (por que já em adulta me dei ao trabalho d eir a várias, para poder falar com conhecimento de causa) - são na sua maioria apresentadas de forma a despromover o raciocínio crítico (tal como as universidades, ou pelo menos aquela onde andei (ISCSP, da Universidade Técnica de Lisboa).

Quem tem dois dedos de testa (e genuina espiritualidade) faz as suas próprias meditações e reflexões, sem alimentar hipócrisias.

Só me espanta como é a Igreja continua a bater nas mesmas teclas. O marketing não é os seu forte por isso continua a perder fiéis.

susana disse...

Obrigada por escreveres o que tambem me ia pela cabeça sobre isto...as diferenças entre Portugal e Espanha também se medem pela coragem...cá ficamo-nos pelo protocolo de Estado, lá vão ao que interessa.

Assobio disse...

Com o devido respeito pelos católicos, a Igreja (entenda-se, de Roma)precisa de quem a reduza à sua insignificância!