sexta-feira

Momento Peixoto

“Foi essa terrina que o marido da Maria levantou com as duas mãos. Segurou-a pelo prato, segurou-a à altura do peito e, com toda a força, atirou-a para o chão num instante de absoluto silêncio. Os pedaços da terrina ficaram espalhados e inúteis por todo o chão da cozinha; da mesma maneira, ficaram espalhados os botões, os alfinetes, as pontas de lápis, os pedaços de brinquedos e todos os objectos sem uso que estavam guardados no seu interior”.
José Luís Peixoto, Cemitério de Pianos

2 comentários:

SM disse...

lázaro há-de correr rumo à infeliz vitória, depois de ter lambuzado o desgraçado corpo com um óleo milagroso.

e lá atrás esconde-se um quarto que ninguém pode abrir e que guarda pianos velhos.Um cemitério romântico.

livro manhoso.

Ana disse...

já cheguei ao óleo milagroso que lhe porá fim à vida... Manhoso ou não, o livro é maravilhoso!