quarta-feira

Um tipo decente

O escritor Luís Sepúlveda faz hoje 57 anos. Gostei do que li dele e apreciei a entrevista na última edição do Sol.
Logo o título:"Não dou lições de moral" - pois, parece-me que é mesmo uma boa opção, com tanta gente a faze-lo.
"Gostaria de ser recordado como um tipo decente. Isso é valioso"- se é!...
"(Rosa Lobato de Faria) tem uma forma de escrever elegantíssima. Preocupa-se com as histórias e dedica um trabalho enorme a cada frase. É uma pessoa que trata a literatura com seriedade. Não é uma pessoa do show business. E nunca a ouvi dizer mal de ninguém. Ao contrário de Lobo Antunes, que só oiço dizer mal de toda a gente, e não suporta ninguém que não seja ele" - aqui está um momento de bom senso. A escritora que refere é inexplicavelmente injustiçada, por quem nunca lhe leu nada. E a redoma de veneração a envolver Lobo Antunes é igualmente inexplicável...
Sepúlveda tem mais esta: "Um homem de esquerda tem de ser generoso. Por vezes sentimo-nos seguros, a salvo, como se o mundo começasse e acabasse em nós. Como se as coisas não nos tocassem. Mas essa é apenas uma posição cómoda, porque tudo nos toca, porque ninguém é prescindível neste mundo. Todos temos de assumir responsabiliddaes e, aí, renunciar à tal comodidade".

Parece-me que além de escrever bem, diz coisas sensatas, o que nos tempos que correm é raro.

1 comentário:

Ana disse...

Podes crer!