sexta-feira

Meninos ponham-se a pau!

Chegou-me hoje um e-mail que diz que as mulheres são quem mais utiliza a violência física nos namoros juvenis. Há de tudo: empurrões, murros, bofetadas e arremeso de objectos. Ciúme e falta de afectividade entre os casais parecem ser os motivos de tal agressividade. Isto é o que refere um estudo da Associação para o Planeamento Familiar. Ao ler isto lembrei-me que realmente as mulheres sempre puderam dar uma bofetada a um homem. Ou porque ele a tinha tentado beijar ou porque a apalpou ou porque a ofendeu. E este gesto sempre foi tido como algo “normal”. O mesmo não acontece quando se passa o inverso. Aí a coisa muda de figura. “Não faças aos outros o que não gostas que te façam a ti”.

13 comentários:

Inês Meneses disse...

Pois é, mas a igualdade entre géneros continua a ser vista como uma situação em que as mulheres são supostas ser tratadas como criaturinhas delicadas, a ser protegidas de tudo e responsabilizadas por nada. Esta "igualdade" a mim cheira-me sempre a um machismo revisto para o século XXI: mudar apenas o necessário para que nada mude.

Anónimo disse...

É por sermos mais fortes, mais inteligentes e moralmente superiores; q escolhemos viver com a violência das mulheres como forma de melhor as levar à razão

miguel caldas

Inês Meneses disse...

Ou senão, faça-se o estafado mas sempre útil exercício de imaginar a notícia ao contrário: havia um estudo que demonstrava que os adolescentes (rapazes) tinham por hábito dar "empurrões, murros e bofetadas" às namoradas, e ainda atirar-lhes objectos. Não faltaria... Aposto que não teria que vir a um blog para ter conhecimento desse estudo.

escola de lavores disse...

ao anónimo Miguel Caldas:

O ponto e vírgula retira o sentido BRILHANTE à sua sentença.
Levar as mulheres "à razão" é exactamente o quê?
Bem haja, pois, se se dignar utilizar um pouco da sua 'força e inteligência' numa justificação 'moralmente superior'.

Anónimo disse...

Levar as mulheres à razão, é o esforço (meritório mas esgotante)de levar as primeiras a ver a segunda.
Obviamente que não se pretende impor nenhum programa ou ponto de vista às suas cabecinhas,não. Queremos ajuda-las a serem tudo o que podem ser.
E isto só é possível através de, um esforço constante e firme de desprogramação dos seus naturais comportamentos violentos, e da criação de estimulos positivos tendentes à sua integração num ambiente mais construtivo, positivo, civilizado, masculino.
Em resumo, Skinner explica.
Estou, obviamente, à disposição de V. Exas para todo e qualquer esclarecimento adicional, mas não queria deixar de dizer q a pontuação é muito mais que gramática, é um estado de espirito.

Miguel Caldas

Miguel Caldas

Eva Shanti disse...

Se fosse possível gostava de receber esse e-mail ou de pelo menos conhecer a sua fonte.

60% das vítimas que recorrem à APAV são alvo de crime por parte do cônjuge/companheiro e 88% são mulheres...

Bjs

Inês Meneses disse...

Presumo, Eva, que não se tratava aqui da mesma violência de que trata a APAV, em que estão em causa situações complexas de dependência, vitimização, violência grave e reiterada, etc. Essa suponho que afecta os homens mais na infância e na velhice.

Mas se calhar deviamos pensar também naquilo de que fala este estudo da APF: a (pequena? ligeira?)violência no namoro adolescente/juvenil. É muito, muito interessante que sejam aí sobretudo as raparigas a fazer recurso da violência física como "linguagem" para os problemas emocionais.
Isto significa que estes jovens já cresceram numa sociedade que questiona a violência masculina, mas não menciona a feminina (a tal que vitimiza sobretudo crianças e idosos)? Quer dizer que as raparigas estão mais familiarizadas com a violência como resposta emocional, ou, para pegar no comentário do Miguel, menos familiarizadas e portanto com menos controlo sobre ela? Ás raparigas é mais permitido o descontrolo a este respeito? E isto desfaz-se mais tarde, quando chegamos à idade adulta, ou pode ser o início de um processo de violência mais grave e complicado (independentemente de quem é o agredido ou o agressor numa fase mais tardia)?

Também gostaria de saber mais sobre o estudo em causa; e de poder cruzar isto com informação, por exemplo, acerca da "história de violência nas relações" das mulheres que chegam à APAV.

Enfim, "pano para mangas", como costuma dizer-se... Será que a Ana nos pode dar mais referências acerca do tal estudo?

escola de lavores disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
escola de lavores disse...

Os comments do anónimo Miguel Caldas revelam uma pré-histórica visão da realidade: insiste que os homens [curiosa generalização!]são mais fortes e moralmeente superiores (sic) mas não se explica. Quanto a Skinner, basta uma rápida visita à Wikipédia para ver a sanidade e superioridade do dito.
Em respeito pela (alegada menor) inteligência das mulheres a Escola reserva-se o direito de admissão - nínguém entra em nossa casa para, pura e simplesmente, nos insultar.
Não adianta pois insistir com o propósito da "integração (das mulheres) num ambiente mais construtivo, positivo, civilizado, masculino" (!!!).
Por mim, pode ir pregar a outra freguesia.

Inês Meneses disse...

Dizia eu ontem ao Miguel que me parecia que neste blog havia inteligência e sentido de humor suficientes para a ironia do post dele ser entendida.

I stand corrected.

(acho curioso que alguém que se identifica com nome completo seja tido por anónimo)

susana disse...

Desculpem, mas não é todos os dias que recebemos um anónimo com nome que cita Skinner...Qualquer dia estamos a discutir a liberdade positiva e negativa de Berlin o que, num blog só de mulheres (fracas, burras e moralmente inferiores) poderia parecer mal. No mínimo pretensioso...

Inês Meneses disse...

Na verdade, seria um magnífico tema de discussão... digo eu, claro.

Rititah disse...

Na verdade falando como mulher...isso é verdade,quando acontece o inverso,nós não somos vistas,como agressoras,isso não tem por nome violência,mas na verdade,eles são agredidos.
Podem até pensar,esta miúda é burra,mas não é a verdade.Eu sou mulher,mas sei ver ambos os lados e,é muito comum eles serem agredidos,simplesmente por um estalo, uma palavra,e pensando bem,isso pode ferir a sensibilidade deles,o seu psicológico.Eles não são bichos,são humanos,tem sentimentos.