sexta-feira

Mais uma...

No início das votações, contaram-se os deputados :181 assinalados no quadro electrónico + 23 que não conseguiam pôr o seu cartão a funcionar. Com 204 estava garantido o quórum. A confusão estalou à terceira votação. A lei das quotas, por ser orgânica, precisava de uma maioria absoluta (116) para ser aprovada. Jaime Gama anunciou o chumbo do diploma, tomando o resultado do quadro electrónico : 111 a favor, 90 contra. Primeira questão: antes de anunciar o chumbo da lei, o PAR (Presidente da Assembleia da República) não devia ter verificado se os 23 que não tinham conseguido antes pôr o cartão a funcionar, tinham conseguido votar ?
O sistema electrónico tem falhado desde o primeiro dia. Toda a gente sabe. E, à português, foi-se deixando a coisa andar. O laxismo não dá só para faltar...

..........................

Uma semana depois da falta de quórum, o hemiciclo até estava composto. O que deu para inflamar o "circo" a que se assistiu depois. Acusações de falta de seriedade, de querer ganhar na secretaria...o pior, para quem tenta, por estes dias, restaurar a honra perdida na praça pública. É que, depois de registados à mão os votos dos que diziam que não tinham conseguido votar, foram contabilizados 222. (No início estavam lá 204) "Mas o quórum é dinânimo. Pode ir para cima ou para baixo", justificou Jaime Gama que, desta vez, não mandou trancar as portas do hemiciclo...

..........................


O PS vai propôr a suspensão do voto electrónico. Só agora ?
E o que se faz às votações que foram feitas, nos últimos anos, com o sistema electrónico que, conclui-se agora, não funcionava a 100% ? (Esta dúvida já foi levantada pelo PSD)
Que empresa montou este sistema ? É apenas um problema técnico ? Não há ninguém que o solucione ? (Há quem diga na AR que alguns deputados ainda não sabem trabalhar com ele)

2 comentários:

Marisa disse...

O Zorrinho devia aparecer em São Bento de capa preta e espada em riste e dar um choque tencológico (ou mesmo eléctrico, daqueles das torturas)àquela gentalha armada em deputado.

MB disse...

20 mil contos para nada... Os deputados não sabem usar o cartão...