sexta-feira

E...Viva Las Vegas !



E por que não ? (Apesar de eu achar que o trabalhão que dá tratar das papeladas é um verdadeiro teste à vontade dos noivos de irem para a frente com o casamento) Mas convém explicar-me antes que a mestre me chame à secretaria...Para mim, o casamento nasce, naturalmente, de uma "relação de afectos" mas é um acto racional ( Se fosse só uma relação de afectos não era preciso casamento). Para o Estado é um contrato mas socialmente tem outro valor( Se não fosse assim não havia tanto problema com os casamentos homossexuais). Acho que as pessoas são livres de decidirem se se querem casar ou não, muitas vezes, poucas vezes, amanhã, daqui a um mês, elas é que sabem. Se querem pensar muito nisso, se não querem, elas é que sabem. Para mim é uma coisa reflectida. Mas se para outros não é, qual é o problema, deixem-nos casar ! Quanto ao divórcio, não é ele que destrói o casamento. Com ele pôe-se fim a um casamento já destruido.

P.S. Em Las Vegas, o papel fica pronto em 20 minutos. A capela, se quiserem, está aberta todo o dia e toda a noite, ao fim-de-semana !

2 comentários:

Ana disse...

Percebo tudo o que dizes e até faz sentido. Mas acho que serei uma eterna romântica... não consigo racionalizar tanto as coisas. Casar em 20 minutos para mim é como ir ali à padaria comprar pão quentinho para comer com manteiga. Não sei... simplesmente acho que pensar no casamento dessa forma, tal como no divórcio, faz com isso seja algo banal, superficial... quase sem valor.
Eu gosto de emoções fortes!

susana disse...

Receio que o meu entendimento da coisa se tenha confundido com a sua banalização. Não é isso. Eu tambem a considero muito séria e por isso é que a incluo no capítulo das liberdades que para mim está sempre associado à responsabilidade. Eu nunca me casaria em Las Vegas...preferia voar sobre o Grand Canyon