sexta-feira

Eterno... enquanto dura

Se o casamento é um contrato, então era bom que se fixassem os direitos e deveres de cada uma das partes, claramente, em papel selado. Se é uma relação de afectos, então que seja eterna enquanto dura. Quanto a esse quê de irreversível de que a Luísa fala.... basta lembrar a Elisabeth Taylor, por exemplo. Quantas vezes casou ela com o Richard Burton? E já agora, quantos dias de férias de casamento ganhou? São onze por cada boda, não é? Nada mau

4 comentários:

Ana disse...

Ora aí está uma boa razão para casar!!!

escola de lavores disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
escola de lavores disse...

Provavelmente não me expliquei bem: mantenho que há qualquer coisa de irreversível quando se destroi algo. O próprio conceito de destruir implica uma irreversíbilidade, certo? Claro que depois se pode construir outra coisa (nota: outra!), mesmo um casamento. A minha opinião pessoal é que certos assuntos têm de ser muito amadurecidos, o que não se compadece com "na hora" rasgar um casamento que, afinal, terá sido pensado, ponderado, etc. e cumpriu meia dúzia de burocracias prévias. Fisicamente podemo-nos separar no minuto, não? Mas quando há uma separação 'definitiva' num casamento, os envolvidos levam tempo a resolver as coisas. Questiono as virtualidades de o papel oficial ser obtido na hora, quase de 'ânimo leve'.
[desculpem, o assunto casamento é interessante, mas não volto a falar dele no blog que, do meu p.v., não é o meio adequado; além disso, não percebo do assunto, não tenho conhecimento de causa.]

susana disse...

Acho que os bordados estão a ficar lindos ! Estou a gostar desta escola