terça-feira

Há pessoas a quem eu não desejo as melhoras

8 comentários:

Anónimo disse...

Todos os "Salazarengos" desta terra devem pensar a mesma coisa.
Mas isso passa. O tempo relativiza as coisas.
AB

Anónimo disse...

Pois quando estiver moribunda também não vou desejar as suas melhoras.

Daniel

madalena disse...

Podes não concordar com as ideias, mas tens que admirar, pelo menos, a coerência política e capacidade de resistência ao inimigo americano.

susana disse...

Uma dúvida que me acompanha há anos: devemos admirar a coerência daqueles que defenderam a vida toda ideias erradas (com consequências para os outros), ou a luz que sobre alguns se fez reconceptualizando a sua maneira de ver o mundo? Porque é que no mundo do trabalho gostamos que, quem erra, assuma o erro e modifique a sua actuação, e no mundo das ideias, preferimos aqueles que, insistindo no erro, se mostram coerentes ?

Marisa disse...

A coerência às vezes transforma-se em incoerência. Quando defendemos algo para o bem-geral e, na prática, esse "algo" acaba por traduzir-se no mal-geral... manter a "coerência" é mera casmurrice (e burrice).

Em nome das cubanas e cubanos que abracei e com quem chorei há uns 8 anos em Havana, também não lhe desejo as melhoras.

Anónimo disse...

Que pensaria uma criança de Bogotá, de Rio de Janeiro ou de qualquer outra favela
da América latina ou das Caraíbas, das sábias considerações da "dona Susana"?
Talvez como diria um certo Jacques Brel: "
Que "les bourgeois c’est comme les cochons plus ça devient vieux plus ça devient con"
Fossem para Cuba um terço dos fundos estruturais que Portugal vai recebendo e
esbanjando estupidamente, ponham os EUA fim ao "blocus" (um dos mais cruéis e injustos da história contemporânea), e poderemos então tecer virtuosas considerações ideológicas sobre
uma situação herdada da guerra fria e que certas pessoas "dos dois lados" da barricada
teimam em prolongar.
Fidel de Castro encarna quanto a mim todos os paradoxos de uma época repleta de dramas mas de
onde despontam também esperanças. Quanto a mim o povo cubano esta suficientemente instruído sobre os solavancos da história, para enfrentar os dias a vir, que certamente não serão fáceis, mas estou confiante.

Espero que a "dona Marisa" tenho guardado da sua estadia na Havana o deslumbrante bronzeado de quantas por lá passam, porque certos cavalheiros e até "cavalheiras", esses, o bronzeado que procuram é o de belas e belos adolescentes que retribuem em seguida...em dólares como em Haiti.
Entretanto o fenómeno é marginal, mas quem sabe com desaparecimento da cena politica do líder "máximo", do lado de Miami grandes projectos existem já : Cuba o mais luxuoso bordel da América? É já permitido sonhar!
AB

susana disse...

Mas Varadero já é um bordel, ou não ?
Mas também podemos discutir o peso do "blocus" na decisão do líder máximo cubano de passar o poder ao seu irmão. Um bocadinho dinástica, não ?
Se a dona AB/Dom AB (desconheço o significado das iniciais) resolver replicar aviso que vou novamente ficar sem internet por alguns dias e por isso não vou poder contra-argumentar...se calhar quando vier, novas de Havana nos levarão outra vez ao tema. Garanto que não vou a Cuba.

Anónimo disse...

Isto andava um pouco as moscas, não é intenção minha replicar.
Até gosto, (por vezes), do que escreve.
Boas férias, eu por aqui fico "de serviço".
"Dom AB" ;)