quarta-feira

Carrilho teve um mérito

Levantou discussão sobre o jornalismo. Mas infelizmente o rastilho queimou rápido demais. Lembro-me de Cunha Vaz (proprietário de um grupo que reúne agências de comunicação e revistas) dizer qualquer como isto: se os produtos (matérias editoriais) sugeridos não fossem bons, ninguém os comprava. Não deixa de ter razão, mas o certo é que os jornalistas ocupam demasiado tempo com produtos oferecidos pelas partes interessadas em detrimento do que realmente importa. E assim se fecham edições sobre edições, como quem embala sabonetes numa linha de montagem...

Estamos a deixar de ser os porta-vozes do povo (os interlocutores que vão saber as coisas junto de quem sabe) para sermos os porta-vozes do poder político e económico, transcrevendo a mensagem que estes querem passar ao povo.

E, sim, eu faço parte desta máquina.

5 comentários:

Anónimo disse...

O rastilho de Carrilho queimou depressa porque era curto. Tinha a dimensão do próprio autor, que não estava preocupado com o problema da qualidade da informação mas com o seu próprio problema pessoal.

E os jornalistas ... foram atrás. Só que o caminho era curto e eles não souberam ver isso.

Carrilho durou o que vale e os jornalistas mostraram o que não valem.

Helena

Anónimo disse...

"Estamos a deixar de ser os porta-vozes do povo (os interlocutores que vão saber as coisas junto de quem sabe) para sermos os porta-vozes do poder político e económico, transcrevendo a mensagem que estes querem passar ao povo."

Esta falando verdade????
AB

Máquina Zero disse...

A propósito: o Cunha Vaz sempre apresentou queixa-crime contra o Carrilho? Nunca mais se leu notícia nenhuma sobre isto...

Anónimo disse...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. » »

Anónimo disse...

Excellent, love it! next day bontril shipping Corner shelve Contact lenses&aposs