quinta-feira

Presidentes e sabonetes

Emídio Rangel regressou ao mundo dos vivos para apresentar o livro Manuel Maria Carrilho. Certamente em nome de velhas solidariedades - dos tempos em era director da SIC e o Ministro da Cultura lhe financiava os filmes - Rangel foi ao Teatro Nacional representar o papel de defensor da ética e da deontologia na Comunicação Social. Pena é que a peça não incluísse aquele acto sobre presidentes, sabonetes e como vender uns e outros.

4 comentários:

escola de lavores disse...

Não se pode dizer que Carrilho não estava devidamente aconselhado por quem sabe do que é capaz a televisão... E ambos têm 'contas a ajustar', não é?

Manjerico disse...

rangel ainda vai ajudar o carrilho a resolver isto à berbequinada...

(escrevi os dois com minúscula por motivos óbvios)

Anónimo disse...

Silogismo ao messias da boa conduta:

Todos os canalhas entrevistam.
Rangel, no passado, entrevistou.
Rangel = canalha.

rps disse...

É tudo uma corja de bandidos!