sábado

Pessoas e condóminos

Quando acreditamos nas pessoas, elas acreditam em nós. Quando somos sinceros, elas são sinceras. Quando somos velhacos... Lá diz o ditado... Elas são velhacas, e meia.

Acabo de vir da primeira reunião de condomínio da minha vida. Gostei! Talvez por ter chegado sem o "pré-conceito" de que qualquer pessoa, a partir do momento em que se torna condómino, se transforma automaticamente num filho da mãe.

Apesar de tudo, continuo a confiar nas pessoas (condóminos, incluídos). Talvez por isso tantas confiem em mim.

4 comentários:

escola de lavores disse...

Concordo que é fundamental ter sempre bons princípios e evitar os preconceitos e as 'ideias feitas'.

Mas a vida também ensina que nem sempre se recebem dos outros as mesmas atitudes 'positivas' com que nos apresentamos...

(Tu é que és uma pessoa especial!)

cardeal patriarca disse...

Lutar contra o preconceito é uma obrigação que deve estar inscrita no código de conduta de todo o ser livre.

Só podemos ganhar. Podemos ser defraudados algumas vezes.

Mas em quantas não sendo nós, mas nós e o preconceito - já tinha ouvido isto com a circunstância - até nos vai ser impossível colher a realidade e fazermos passar as nossas rpóprias ideias.

Não ao conhecimento

Ana disse...

Acho que fazes bem começar com uma atitude positiva. É meio caminho andado para teres uma boa relação com os teus vizinhos.
Espero que tenhas mais sorte que eu com os condóminos, sobretudo quando fores administradora pela primeira vez. Sinceramente, não tenho saudades nenhumas de trocar lâmpadas, atender telefonemas do tipo "está a chover na minha marquize porque pinga água da sua varanda" ou reunir por problemas menores. Certas conversas só me faziam lembrar o Gato Fedorento.

susana disse...

Também achei piada à minha primeira reunião de condóminos mas actualmente detesto. Faz-me lembrar aquelas reuniões de redacção em que se fala muito, promete-se mudar muito para deixar tudo na mesma. Mas não falto. Um prédio é sempre uma amostra da responsabilidade social. Da nossa e da dos outros...