sexta-feira

Pecados modernos

O cardeal James Francis Stafford vem agora dizer aqui que foi mal entendido. O que pediu foi apenas um exame de consciência aos fiéis que concluísse que andam a "gastar mais tempo a ler jornais, a ver televisão e a navegar na Internet do que a ler e a meditar sobre as Sagradas Escrituras".
Está-se mesmo a ver que a culpa foi de quem se pôs a interpretar. Que o reparo do cardeal não trazia qualquer juízo de valor... Pois, toda a gente sabe, que consciência nada tem a ver com moralidade... Ou tem ?!!!
(Se, em vez deste post, estivessem a ler as Escrituras, não teriam dúvidas, claro)

8 comentários:

Rui Oliveira disse...

Será que leu a homília do dito Cardeal ou limitou-se a ouvir/ler/ver as notícias?

É que não me parece nada que ele tivesse criado uma nova lista de pecados...

(Online pode ler-se, em inglês e italiano, a homília do Cardeal na agência Zenit)

madalena disse...

Já houve quem dissesse que o mundo só terá paz quando o última cardeal for enforcado nas tripas do último advogado

Rui Oliveira disse...

E com que é se enforca o último jornalista? Nas tripas do último marxista?

dina disse...

Um intelectual... e do Porto! Lê homilías e tudo. Um intelectual do Porto, que lê homilías em inglês e italiano. Da agência Zenit. Zenit???

dina disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Rui Oliveira disse...

E parece que isso chateia as meninas...

susana disse...

Não chateia nada. Quanto mais informação, melhor. Sobre tudo, e não só sobre igreja. Mas, olhe, boa Páscoa pois parece que é daqueles que ainda lhe atribuem algum significado.
(Continuo a achar que criticando o tempo gasto com jornais e internet, o Cardeal faz um juízo negativo de tais actividades.)

Rui Oliveira disse...

Óptimo.

Quanto ao cardeal, eu já escrevi que ele não foi lá muito feliz. De qualquer modo eu não me considero em pecado, apesar de passar, profissionalmente e não só, horas seguidas na Internet.

Agora, o que eu me insurjo é quanto à ideia de que o Vaticano decretou novos pecados (embora me pareça que a agência Ecclesia tenha culpas no cartório) e que foi retomada por todos os media acriticamente. Em lado algum isso poderia ser inferido. E fez-se uma tempestade num copo de água. Só isso.