domingo

Geração M


Os jovens portugueses estão descontentes com o estado da democracia, segundo um estudo divulgado hoje pela Lusa. Mas eu confesso que já acreditei mais nas suas (dos jovens) capacidades para mudar "o estado da arte". Cada vez que me sento numa esplanada da Linha só me apetece chorar.

Que gostem de andar na moda, tudo bem. Mas que foquem na aparência e na necessidade de serem fisicamente aceites toda a sua energia... Miúdas de saltos altos que eu jamais usaria movem-se como bonecas de cera para não desalinharem o cinto ou o cair da blusa. Por favor! Falam em loop sobre as roupas que existem em cada loja e dos respectivos preços (e não são necessariamente low budget stores).

É verdade que o futuro estás nas mãos destes adolescentes, mas os pais deles ainda vão a tempo de acordar e assumir os seus deveres paternais ensinado aos filhos que há vida além dos Morangos com Açucar.

Não queiram ficar na história como uma geração M. Ou uma geração de m... .

3 comentários:

susana disse...

Adorei o último parágrafo.Inspirado, sem dúvida. Mas esse tipo de conversas não existe só na linha, Marisa...O que ouves por aqui é uma amostra de todo o país.

Mais Notas Soltas disse...

Depois da Geração Rasca, temos a Geração Casca. Bem embrulhados, mas tirando-se a casca, não tem nada lá dentro...

cardeal patriarca disse...

É minha função, mas eu acredito.

Acredito numa geração que não cortava o cabelo, que usava calças à boca de sino, e os homens saltos altos, além da base dos sapatos, que tinha, no minimo, 1 cm.

Há fases para tudo. Para pensar que o infinito é o colega que não me liga.

Ou que o futuro é o que me liga ao infinito.